Rádio 89.1 FM - Parobé/RS
Parobé/RS
Min.
Máx.
Atendimento à mulher é referência em Parobé
07/02/2018

Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresentadas informações sobre como a mulher é vista e tratada, com base em conhecimentos histórico-culturais, além de falar sobre aspectos da Lei Maria da Penha e a necessidade de reavaliação da forma com a qual se tratam as mulheres. Esse grupo conta com a participação de forma voluntária da psicóloga Tauane Picinini.

Além desses dois grupos também há o Grupo de Higiene Pessoal e Saúde da Mulher (HPSM), e o grupo de Gestante. O HPSM, já teve cinco encontros, eles ocorrem mensalmente e para participar é preciso um cadastramento prévio no Atendimento à Mulher. O grupo é ministrado pela enfermeira Claudiane Faccin, voluntária do projeto. Já o Grupo de Gestantes é feito em parceria com a Secretaria de Saúde, no Prá Mamãe com a enfermeira Graziela Neitzke. Para participar as gestantes devem ir na UBS Central e pedir pelo grupo.

O atendimento à Mulher também oferece o Atendimento Avançado, que após acolhimento, havendo necessidade, psicólogas voluntárias atendem no setor. Esse tipo de atendimento é coordenado pelas psicólogas Camila Elena Ribeiro Machado e Jane Maria Livi.

Os atendimentos para as mulheres no Atendimento à Mulher são de segunda a quarta-feira, para os homens de quinta a sexta. No período do verão em horário especial, das 07h às 13h, no prédio onde funciona o Procon, atrás do Ginásio Municipal Décio Francisco da Costa. Os grupos funcionam na parte da tarde, os locais e horários não são divulgados para que quem participa tenha a segurança de que não será exposto, dizer que participa do grupo é uma escolha de quem participa.

De acordo com Roberta Jordana da Silva os grupos são uma ferramenta de diálogo e transformação. “A mudança deve sempre vir daquela pessoa que procura o serviço, nós não mudamos as pessoas, nós lhes damos as ferramentas reflexivas e emocionais necessárias para que possam escolher a melhor forma para quebrar o ciclo de violência dentro do seu círculo familiar”. Já para o prefeito Moacir Jagucheski investir em políticas públicas de combate à violência é o melhor caminho para construir uma sociedade justa “O investimento nesse tipo de ação é garantia de igualdade de direitos e consequentemente mais qualidade nas relações."Trabalho feito no município engloba a comunidade e várias entidades

O Atendimento à Mulher de Parobé visa discutir sobre o papel da mulher na sociedade e na família, além de combater a violência no âmbito familiar. Os grupos são formados por pessoas envolvidas em situações de violência doméstica no âmbito familiar, os atendimentos seguem os modelos utilizados das Comarcas de Porto Alegre e Caxias do Sul, que possuem altos índices de eficácia.

Os grupos são frutos de programas e políticas públicas, e desenvolvidos por profissionais integrados à rede de atendimento à mulher, e tem como coordenadora Roberta Jordana da Silva. Que implementou os grupos AMOR (Atendimento à Mulher, Orientação e Reflexão) e AROH (Atendimento, Reflexão e Orientação aos Homens), ambos ocorrem na sede do Atendimento à Mulher, nos bairros Vila Nova, Moro da Pedra, Fazenda Pires e na UBS Central, com um grupo específico para atendimento às gestantes.

O Atendimento à Mulher de Parobé atende em conjunto com a rede de atendimento à mulher, que é formada pela Delegacia de Polícia Civil, Brigada Militar, Ministério Público, Fórum, Serviços de Saúde, Educação e Assistência Social. E muitos dos atendimentos feitos são indicados pelos órgãos da rede, que informam ao serviço, que realiza o contato com o homem ou a mulher que estejam envolvidos em situação de violência no âmbito familiar.

Logo após esse contato, a pessoa é acolhida pelo serviço e em seguida passa para um dos Grupos, que funcionam em ciclos, que duram 10 encontros semanais. No momento, o município atende cinco grupos.

Os Grupos AMOR, atendem uma média de 14 à 20 mulheres cada, com encontros semanais, onde são debatidos temas com empoderamento feminino, Lei Maria da Penha, o papel da mulher e do homem na sociedade atual, educação dos filhos, ciclo da violência, entre outros temas relativos as mulheres.

O Grupo AROH, tem como finalidade ajudar os homens a refletir sobre o atual papel da mulher na sociedade, nele são apresen

Fonte: Imprensa Prefeitura
21:00 as 21:00
Peça a sua música!
Envie seu Pedido Musical preenchendo todos os dados abaixo:
Atendimento
Av. Artuíno Arsand, 120 - Sala 07 - Galeria Monaliza,centro - Parobé/RS
Ligue agora
(51) 9127-6823 - (Insira o 9 apos o DDD)
Horário de atendimento
Comercial das 08 as 18hs - no Ar 24hs
CRIADO POR WEBISERV